Onde Os Italianos Comem

Compartilhe este post

Tradução de Ivair Carlos Castelan

Os italianos gostam de comer, e muito! Neste artigo, vamos entender melhor as preferências culinárias e onde os italianos comem.

Em sua cultura, há muitos lugares para ir para encher a barriga. A diferença às vezes é sutil e é determinada principalmente por origens históricas. Por isso, é importante entender onde os italianos comem.

Para mim, foi incrível entender como a comida está sempre no centro de todas as conversas dos italianos, sempre!

Às vezes, tento fazer um diagrama mental para entender qual é a ligação entre “o aumento do custo da passagem do bonde” e a “pasta alla Norma” (é um prato tipicamente mediterrâneo à base de macarrão, geralmente aquele corte chamado “maccheroni”, temperado com tomate e com a subsequente adição de berinjelas fritas, ricota salgada e manjericão); não há explicação, mas de qualquer maneira é sempre assim.

O mais bonito é que é uma questão comum de norte a sul (mesmo que briguem entre si pela eterna competição de onde comer melhor. Mas falo a vocês, sinceramente, na Itália, você come bem em todos os lugares!).

Quando você está no bonde ou ônibus, ouve a mãe perguntando à filha o que ela comeu na escola e, se estava bom, é claro; se você está na academia, ouve dizer que o macarrão integral faz bem; se você está andando, ouve grupos de pessoas planejando o que comerão no jantar, ou pessoas compartilhando receitas: “porque minha mãe faz assim, mas minha avó fazia melhor”.

Vi e ouvi empresários milaneses falarem sobre finanças e, então, não sei como, começaram a falar de comida. Enfim, de qualquer coisa que se fale, a conversa termina em comida. Na minha opinião, certamente deve haver tomate no sangue italiano e uma certa quantidade de macarrão nos ossos. Eles são assim.

Onde os italianos comem?

Há quem prefira a pizzaria para a vida toda. Essas pessoas são fãs de pizza, com verdadeiros rituais: todo fim de semana, tanto sábado quanto domingo, as pizzarias estão cheias de pessoas. É divertido ver os avós dando dinheiro aos netos, dizendo “então vai comer uma boa pizza com seus amigos”.

Também existem pessoas que preferem  “le trattorie”, porque nesses locais você encontra poucos pratos, bem feitos e que não estão no restaurante.

 “Le trattorie” são locais com uma atmosfera simples e acolhedora, onde é servido quase exclusivamente pratos da tradição culinária local, preparados com produtos típicos. Os seus cardápios, geralmente, restaurantes são caracterizados pelo vínculo com o território e pela simplicidade dos preparativos. Até os móveis normalmente refletem essa atmosfera simples do local: são rústicos e não muito formais, mas sempre acolhedores. Vale lembrar que se come muito bem em uma “trattoria” italiana.

Normalmente, as pessoas vão a restaurantes para grandes eventos, como um batismo, uma comunhão ou um casamento ou porque “é mais elegante”.

A fama que a Itália tem de comer bem é mais do que merecida e as opções de pratos podem ser verdadeiramente infinitas. Eu, assim que me desloco de uma cidade para outra, mesmo que sejam muito próximas, sei que vou comer algo diferente. Assim como os pratos são diferentes, também existem lugares diferentes para comê-los, cada um deles com características particulares.

Mas não enlouqueça! Vamos ver as diferenças juntos e onde os italianos comem diariamente::

Grupo 1:

         Osteria:

A osteria sempre foi um conceito popular onde se come, se encontra alojamento e, acima de tudo, se bebe vinho; as mais modernas também podem ser um pouco “refinadas”. Os preços não são muito altos, há qualidade na recepção, a cozinha é sempre tradicional e oferecem pratos típicos da região.

        Trattoria:

A trattoria é um lugar simples e esta é a sua principal característica. Se come poucos pratos, tradicionais e … bons!

A tipicidade é uma das características mais fascinantes desses locais, muito atraente também no nível turístico.

        Restaurante:

Os restaurantes pertencem a uma categoria mais ampla e heterogênea que os anteriores. Ao contrário da osteria e trattoria, não estão necessariamente ligados às tradições locais. Existem muitos tipos de restaurantes para vários tipos de culinária, como a japonesa ou a brasileira, ou tailandesa, grega, indiana… Existem restaurantes especializados em pratos de carne ou peixe.

O restaurante pode ter espaços e hierarquias mais formais.

Em poucas palavras: “trattoria” significa local popular, “osteria” significa “local popular, mas legal” e “restaurante” é um local legal onde você pode comer diferentes tipos de comida.

Grupo 2: (ou o grupo dos 3 “P”)

          Paninoteca: 

As pessoas deram esse nome ao espaço público, onde são preparados e vendidos sanduíches recheados, tramezzini (um sanduíche triangular ou retangular, composto por duas fatias de pão de forma – às quais a casca é frequentemente removida – recheado com salame, queijo, legumes, etc;), bebidas e outros alimentos para lanches rápidos.

         Panineria: 

É o local especializado na preparação e venda de sanduíches recheados e refeições prontas. Portanto, Paninoteca e Panineria são a mesma coisa!

       Mas dizemos paninoteca? Ou melhor panineria?

A definição mais correta seria “panineria“. O sufixo -eria nos diz isso, que é usado para indicar atividades, lojas ou oficinas (peleteria, cervejaria, ourivesaria, etc.). Na panineria, portanto, são preparados sanduíches.

Paninoteca (termo não recomendado) deveria indicar – para o sufixo –teca (como enoteca, biblioteca) um local onde se “colecionam sanduíches”.

             Piadineria

É o local onde a piadina é preparada e consumida (ou piada, pieda, pida, piè, de acordo com os dialetos locais). A piadina é típica da região de Emilia-Romagna e da parte superior da região de Marche e parece um pão plano e circular, geralmente fino. É consumido em fatias ou recheado inteiro de acordo com o gosto: salgado com salame, queijos e legumes ou doce com geleia, mel ou chocolate cremoso.

A piadina romagnola tem origens muito antigas, vem de uma tradição camponesa pobre e simples, 

Grupo 3:

            Bar:

É um lugar onde se pode consumir bebidas ou comidas leves, sentado ou em pé. Pode ser encontrado em qualquer lugar: em jardins públicos, em grandes avenidas urbanas, em praças, em cidades bem pequenas, hotéis, teatros e escritórios.

Na Itália, o termo “bar” é muito diferente de outros países. Aqui são servidas e consumidas, principalmente, bebidas sem álcool ou alcoólicas, além de café e outros produtos de cafeteria, como croissants e brioches, para o café da manhã, e alimentos salgados, como sanduíches e pizzas para um almoço rápido.

Na cultura italiana, o bar é um dos principais pontos de encontro, especialmente durante o dia e no início da noite. Às vezes, tem a função comercial de tabacaria (Bar-Tabacaria). O bar italiano também é um lugar para ler jornais, assistir esportes na televisão, jogar cartas e até para apostar!

   Tabaccheria:

Aqui você não come, mas fuma. É um lugar um pouco confuso com um perfume “próprio”, onde você pode comprar muitos itens, como tabacos, sal de mesa, selos fiscais, doces, chocolates, recargas para telefone, passagens de ônibus, etc. Mas é importante conhecê-lo, porque é sempre muito frequentado pelos italianos.

Estes são os lugares onde os italianos comem e se reúnem. Como vocês podem ver, há muita diversidade e também muita qualidade. Eu, como outros estrangeiros que conheço, quando retornamos ao nosso país de origem, sem perceber entendemos que nos tornamos mais exigentes com a comida.

Nosso paladar já se acostumou com os sabores e a quase perfeição da cozinha italiana, e encontrar isso em outros lugares é realmente difícil.

 Quando me perguntam qual desses lugares eu prefiro, isso é, realmente, um sofrimento para mim. Normalmente respondo que, se me apontarem uma arma e eu tenho que escolher, vou na trattoria. Por quê? Porque eu gosto da hospitalidade simples e popular da trattoria, o ambiente permite viver a italianidade à mesa.

Na trattoria de uma cidadezinha, eles falam com você em dialeto, recebem você com um avental, você vê as mãos das senhoras que são cozinheiras, você se sente como na casa da vovó.

Mas tenho que aceitar que, quando você está cansado no sábado à noite, ir a uma pizzaria e comer uma boa pizza faz de você uma pessoa feliz.

 

Leia também o artigo em italiano: Dove Mangiano Gli Italiani

Faça o exercício desse artigo: Esercizi

Veja também:

Storia di Aline Aquino Gargiulo

“Ho un debito con l’Italia”   Con queste parole inizia la storia di Aline Aquino Gargiulo. Aline è una donna sempre sorridente, molto educata e

Leia mais

Roma

ROMA Para quem ainda não conhece Roma, descobrirá que é impossível caminhar de um ponto a outro sem explorá-la  Texto elaborado a partir da live

Leia mais

Itália da Giulia · 2023 © Todos os direitos reservados