O Sistema Educacional Italiano

Compartilhe este post

Carla Bottino

Angélica M. Velazco J.

 

O sistema educacional italiano é um universo à parte para quem chega ao país. Para entendê-lo é preciso ter tempo e talvez, algum conhecido com filhos em idade escolar que te explique com calma os diversos níveis.

Depois, quando seus filhos começam a frequentar a escola, tudo se torna mais fácil e compreensível.

De qualquer maneira, apresentamos aqui uma visão panorâmica do sistema educacional italiano para entender como é a escola na Itália, desde pequenos até a pós-graduação.

Mas se vocês quiserem ouvir a experiência de uma italiana, eis o link da live realizada no dia 8 de novembro de 2020 no perfil @italiadagiulia.

A escola na Itália

Tabela comparativa dos níveis de escolaridade no Brasil e na Itália

 

Brasil Itália
Pré-escola ou Jardim de infância – 

Duração: 3 anos – dos 3 aos 6 anos

Scuola dell’ infanzia (ou scuola materna) – Duração 3 anos – dos 3 aos 6 anos
Ensino fundamental 1 – 

Duração: 5 anos –  do 1º ao 5º ano 

Dos 6 aos 10 anos

Scuola elementare – 

Duração: 5 anos – da 1ª a 5ª serie 

Dos 6 aos 10 anos

Ensino fundamental 2 – Duração 4 anos 

Do 6º ao 9º ano

Dos 11 aos 14 anos

Scuola media – Início de um novo ciclo 

Duração 3 anos – da 1ª a 3ª media 

Dos 11 aos 13 anos

ESAME DE ESTADO

Ensino médio – Duração: 3 anos 

Do1º ao 3º ano

Dos 15 aos 17 anos

VESTIBULAR

Scuola superiore – Duração 5 anos 

Da 1ª a 5ª superiore

Dos 14 aos 18 anos

MATURITÀ

 

Apesar de serem 13 anos de escolaridade na Itália, aquela que é considerada obrigatória pelo MIUR, órgão italiano equivalente ao Ministério da Educação do Brasil, para todas as crianças e adolescentes é dos 6 aos 16 anos. 

Para conhecer melhor sobre a escola e Sistema Educacional Italiano

Do Jardim de Infância ao Ensino Médio

O ensino público é de ótima qualidade, mas também existem escolas privadas (particulares). Em todo caso, se começa, quando pequenos, na scuola dell’infanzia (ou scuola materna), que acolhe as crianças de 3 aos 6 anos, tem a duração de 3 anos, mas não é obrigatória.

Depois da materna as crianças passam (ou iniciam) na scuola elementare, onde elas têm aulas de italiano, matemática, geografia, história, ciências, inglês, artes, música religião e aulas sobre a constituição italiana, cidadania, regras de trânsito etc.

Cada turma tem um professor responsável pelas matérias principais como italiano (que inclui gramática, leitura e interpretação de textos e produção escrita) e matemática (que inclui ciências, geometria) e outros para as aulas extras (de inglês, artes, música etc).

O professor da escola elementar é o maestro ou maestra (no feminino) e as crianças usam a forma de tratamento informal, o tu. Neste ciclo de estudo as crianças fazem provas escritas e orais das várias matérias. 

O início da scuola media marca uma série de mudanças que simbolizam a entrada na adolescência. O objetivo desta escola é ajudar os alunos a descobrirem o que eles querem fazer no futuro.

Neste ciclo eles estudam muitas matérias para que eles possam descobrir quais são os seus interesses e as suas habilidades.

A partir da escola média, os alunos tratam os seus professores com mais formalidade, usando o pronome de tratamento Lei. Se passa de um registro informal usado com o maestro e a mestra a um registro mais formal usado com os professores.

Nesta fase os alunos estudam, além do italiano, matemática, história, geografia, inglês, matérias como música, tecnologia, ciências, educação social etc. Agora os alunos têm um professor para cada matéria (embora alguns professores possam ser responsáveis por mais de uma matéria, como gramática e literatura, por exemplo) e assim, os estudantes se reportam a mais professores. 

Durante o ano acadêmico os alunos fazem provas escritas e orais para avaliar suas competências e os progressos. 

No final da 3ª média os alunos devem escolher qual percursos seguir na scuola superiore; aqui as possibilidades são muitas: institutos profissionais, técnicos ou liceus de vários tipos.

Aos 13 anos ele devem decidir o futuro profissional que muitas vezes, se revelará completamente diferente da escolha original. De fato, durante a escola superior existe a possibilidade de mudar o endereço (o tipo de escola), caso o jovem perceba que aquelas matérias, aquela escola não lhe interessa mais. 

Para concluir este ciclo de estudo, le medie, os estudantes fazem uma prova de estado para avaliar o quanto eles aprenderam neste ciclo.

Um dado curioso é que na Itália tanto a scuola elementare quanto a scuola media são sempre perto de casa, o que facilita a logística para os pais e a independência das crianças que com 8 ou 9 anos já vão sozinhas para a escola.

Diferentemente do Brasil, neste sistema educacional, as crianças não usam uniforme da escola. Se por um lado isso é visto como um fator positivo que promove a independência e a expressão individual dos gostos desde pequenos, por outro lado trouxe à tona temas como o bullying e a discriminação social porque, entre as crianças são percebidas as diferenças de estilo e de classe social. Sobre isso se fala bastante na Itália. 

Os cursos técnicos e/ou preparatórios para o mercado de trabalho

A scuola superiore na Itália se divide em três grandes categorias: liceu, instituto técnico e instituto profissional. O liceo (em português existe a palavra liceu, com o mesmo significado, mas é pouco utilizada) prepara os jovens para a universidade enquanto os institutos técnico e profissional preparam para a entrada no mercado de trabalho, já que os jovens aprendem competências necessárias, com cursos muito práticos para o mercado. 

Assim, com 18-19 anos, depois de terminado a escola, o jovem pode entrar no mercado de trabalho. Existem institutos técnicos de todos os tipos: de informática, de contabilidade, de gestão, turístico, eletrônico, etc. Como existem institutos profissionais de vários tipos: mecânica, cabeleireiro, estética, hidráulica elétrica, moda, etc.

O liceo oferece uma formação acadêmica densa e rica e também se divide em várias categorias: clássico, científico, artístico, linguístico, esportivo etc.

Algumas matérias são básicas, comuns a todos os cursos como italiano, literatura italiana, matemática, biologia, inglês e matérias específicas de acordo com o curso escolhido. Este site explica em maneira mais detalhada e simples os diversos tipos de escola superior.

Como um dado curioso, geralmente as escolas superiores têm uma tradição específica, algumas são de direita outras de esquerda, outras católicas administradas por padres ou freiras.

Diferentemente da escola elementar e média, a escola superior normalmente é longe dos centros habitados e /ou são nas cidades maiores.

Normalmente os jovens usam os meios de transporte públicos para ir para escola – trem e ônibus são os mais comuns. 

Aqui também os alunos precisam tratar os professores de maneira formal e o relacionamento que se estabelece entre eles é muito formal –  nos dois sentidos. O professor também é bastante formal com o aluno. Lembrem-se de que é proibido tratar o professor de tu, pois seria uma enorme falta de respeito. 

No final da scuola superiore, no 5º ano, os alunos fazem uma outra prova, a tão falada maturità. Quem começa a estudar italiano encontra essa palavra em muitos textos, filmes, músicas, é um marco importante na vida dos jovens italianos.

A prova de maturità acontece entre os meses de junho e julho e é composta por 3 provas escritas e uma oral onde o estudante demonstrará o que aprendeu nos 5 anos de estudo.

Como foi dito no início do texto, a escolaridade obrigatória vai até os 16 anos de idade e compreende apenas os 2 primeiros anos da escola superior.

Sendo assim, quem não conclui a scuola superiore diz ter a terza media, ou seja, concluiu a scuola media. Quem, ao contrário, fez os 5 anos e foi aprovado na prova de maturità tem como nível de instrução, a scuola superiore, tem o diploma da maturità, que seria o equivalente a ter o ensino médio completo no Brasil.

Vocês sabiam que nem todos os italianos fazem faculdade?

No Brasil, o sistema educacional é diferente e após terminar a escola o jovem se sente quase que obrigado a cursar uma universidade. Na Itália não é assim.

Dependendo da escola superior escolhida, o jovem pode decidir por se inscrever na universidade ou entrar diretamente no mercado de trabalho.

É importante lembrar que nada impede aos jovens que escolheram seguir um instituto técnico ou profissional de continuar os estudos e se inscrever em uma faculdade.

Como a escolha da escola superior acontece aos 13 anos, pode acontecer do jovem ter mudado os interesses e querer seguir uma carreira muito diferente ou então, querer aprofundar, na universidade, algum tema visto no instituto. 

Universidade na Itália

A universidade na Itália se divide em cursos de 3 anos (laurea triennale) e de 2 anos (laurea magistrale).  Diferentemente do Brasil, o ano acadêmico começa em setembro/outubro e termina em junho/julho.

O ano acadêmico é dividido em semestre ou trimestres, variando de faculdade para faculdade. Entre um semestre e outro ou, entre os vários trimestres, as aulas são suspensas porque inicia-se o período das provas.

Cada estudante deve fazer as provas escritas e /ou orais das disciplinas estudadas durante o período das aulas. Se não consegue fazer todas as provas, pode escolher fazer no período seguinte de provas. Normalmente são três os períodos de provas: dezembro/janeiro, junho/julho e setembro. 

Algumas faculdades podem optar por abrir um período extraordinário de provas. Como todas essas informações podem variar de acordo com a universidade e as faculdades, recomenda-se sempre verificar as informações no site, não só da universidade, mas também da faculdade (do curso)

A escola na Itália é pública ou privada (particular)?

Existe escola pública e escola particular e as duas opções são de ótima qualidade.

Na Itália, mesmo quando a universidade é pública, não é gratuita. O pagamento é feito em parcelas e as pessoas pagam com base na faixa de renda da família. O valor a ser pago é calculado de acordo com o ISEE, um indicador da situação econômica, que serve para medir o nível econômico de um determinado núcleo familiar.

É preciso apresentar aos serviços acadêmicos esse documento para poder calcular o importo das taxas universitárias. 

Pós-graduação

Para entender como funciona o sistema educacional para quem deseja fazer a pós-graduação (master, especialização, etc.) na Itália é preciso, antes de qualquer coisa, entender o sistema educacional do país, já explicado anteriormente. 

Depois de formado (graduado), o italiano está interessado em entrar no mundo do trabalho. O curso na Itália é muito acadêmico e o jovem deseja colocar em prática a teoria.

De acordo com a carreira, se pode fazer uma pós-graduação, que pode ser dividida em diferentes tipos: 

  1. Master
  2. Especialização (Specializzazione)
  3. Cursos de aperfeiçoamento (Corsi di perfezionamento)
  4. Doutorado (Dottorato di ricerca) 

Normalmente quem frequenta estes cursos de pós-graduação deseja crescer profissionalmente e, por isso, os cursos tendem a ser no período noturno ou nos fins de semana e costumam ser bem caros. 

Sistema Educacional
Essa imagem do MIUR – órgão equivalente ao Ministério da Educação Brasileiro – explica bem como são os cursos de pós-graduação italianos.  Fonte: https://www.miur.gov.it/formazione-post-diploma-scegli-in-modo-consapevole

De forma mais detalhada, se pode dizer que o Master permite desenvolver conhecimentos e habilidades de áreas específicas, relacionadas com o mercado de trabalho.

Como alternativa ao Master se pode fazer um Curso de aperfeiçoamento e atualizações profissionais, dedicadas sobretudo para quem já está trabalhando.

Depois existem as Escolas de especialização, que oferecem cursos universitários com o objetivo de formar especialistas, como, por exemplo, na área de veterinária, psicologia, direito, etc.

Depois tem o doutorado que é o nível de instrução mais alto na Itália e, quem escolhe esse percurso, faz pesquisas no campo do seu interesse. 

Perguntas frequentes sobre o Sistema Educacional Italiano

Ter a cidadania italiana ajuda quando se deseja estudar na Itália?

Depende. Em alguns casos pode ter mais vagas para estrangeiros do que para italianos, mas quem tem a cidadania não vai se preocupar com os vistos de estudo e de trabalho.

Se faz teste de ingresso (vestibular) para entrar na universidade na Itália? 

Depende de cada faculdade.

Proporcionalmente parece haver muito mais vagas na Itália do que no Brasil, o que nos permite dizer que entrar na universidade na Itália pode ser mais fácil do que no Brasil, entretanto, é difícil conseguir permanecer no curso e se formar.

Os cursos mais concorridos (com a maior relação candidato/vaga) são Medicina e Direito.

Já sou formado no Brasil e quero trabalhar na Itália. Como faço para reconhecer o meu título?

O processo de reconhecimento do título não é fácil e, é importante saber se é realmente necessário ter esse reconhecimento.

Isso depende da carreira que você deseja seguir, depende do tipo de trabalho que você deseja realizar.

Aconselhamos a busca de informações no site do MIUR, onde as informações estão sempre atualizadas.

 

Leia também o artigo em italiano: Il Sistema Educativo Italiano

Faça o exercício desse artigo: Esercizi

Veja também:

Storia di Aline Aquino Gargiulo

“Ho un debito con l’Italia”   Con queste parole inizia la storia di Aline Aquino Gargiulo. Aline è una donna sempre sorridente, molto educata e

Leia mais

Roma

ROMA Para quem ainda não conhece Roma, descobrirá que é impossível caminhar de um ponto a outro sem explorá-la  Texto elaborado a partir da live

Leia mais

Itália da Giulia · 2023 © Todos os direitos reservados