O que comer na Itália?

comer na Itália

Compartilhe este post

Tradução de Ivair Carlos Castelan

Comer é um ato instintivo e óbvio que transformamos em ritual, elemento cultural, prazer, objeto de pesquisa, demônio e divindade”. (Umberto Veronesi, A dieta do jejum.)

Na Itália come-se bem. Basta. Esta é uma verdade universalmente reconhecida. Mas também é verdade que a culinária italiana é tão vasta quanto boa, então, o que comer na Itália?. A questão é que, às vezes, quando estamos fora da Itália, nos chega muito pouco deste universo.

Quando comecei a estudar a língua italiana e, posteriormente, também a cultura, a história e a geografia desse país, particularmente não havia prestado atenção ao tema da comida, sobre o que comer na Itália.

Não por falta de interesse, mas pelo fato de que muitas vezes no exterior acreditamos (vamos ser honestos!) que a Itália é a terra da “pizza, macarrão e sorvete”, ponto. Como eu estava errada!

A simplicidade da comida italiana

A cozinha italiana é caracterizada por sua simplicidade. Os pratos tradicionais, que hoje conheço, foram criados, geralmente, pelas avós através da comida caseira.

Sendo uma parte fundamental da cultura italiana, a culinária é fortemente influenciada por fatores geográficos e históricos; então, dependendo de uma região ou de outra, você comerá de uma maneira ou de outra, com diferentes ingredientes, dependendo da estação do ano.

Quando cheguei na Itália, meus olhos se abriram para um universo de infinitas e deliciosas possibilidades, mas vamos pela ordem …

O que comer na Itália: café da manhã

Eu sou uma garota venezuelana e a primeira coisa que me chocou, quando cheguei na Itália, foi descobrir como os italianos fazem a refeição mais importante do dia para mim: o café da manhã.

Eu tomava café da manhã com comida salgada, com um pouco de café e suco de laranja, mas na Itália o café da manhã é, geralmente, doce.

Os italianos comem sobretudo brioche (ou “croissant”), bombolone (com creme, chocolate ou vazia) – no Brasil corresponde ao “sonho”, que normalmente é recheado com creme. Na Itália, todavia, além do recheio de creme, encontram-se outros recheios como: com Nutella, com chocolate, com doce de morango, etc;

Ciambella, que é um tipo de bolo, pode ser pequeno (como donuts) ou ter o tamanho de um bolo: este último é conhecido como “ciambellone”, especialmente em algumas áreas da Itália central; pão com geleia ou creme de avelã.

Obviamente, também existe a possibilidade de comer alimentos salgados, como mini-pizzas, croissants salgados, sanduíches recheados, etc; mas geralmente o doce predomina.

O café, com suas variações como cappuccino, caffelatte, macchiato ou latte macchiato, caffè corretto – é uma bebida italiana, feita com uma dose de café expresso e uma pequena quantidade de licor ou outra bebida alcoólica – (geralmente bebido no inverno) e finalmente o café expresso, que certamente não pode faltar em um café da manhã italiano.

No entanto, existem muitas pessoas que tomam café de cevada ou café com ginseng.

O que comer na Itália: almoço

Vamos para o almoço. Nesse caso, as opções, assim como para o jantar, são infinitas.

Se for completo, o almoço (e o jantar) dos italianos é composto por um aperitivo (frios, queijos, legumes, picles, etc.), primeiro prato (macarrão, arroz, caldo de legumes ou sopas), segundo prato (carne, peixe, queijos ou frios servidos com algum tipo de acompanhamento), sobremesa ou frutas para terminar e, finalmente, uma xícara de café (rigorosamente café expresso, mas, como eu disse antes, o hábito do café de cevada ou com ginseng se espalhou recentemente), seguido de “ammazzacaffè” (licor amargo ou doce) que é um copo pequeno de licor geralmente consumido após o café para amenizar o sabor ou o efeito da cafeína. É um costume italiano comum, especialmente após uma generosa e saborosa refeição festiva.

O que comer na Itália: jantar

Infelizmente, por motivos de trabalho ou pelo pequeno intervalo de almoço estabelecido nas empresas, o jantar se tornou a principal refeição do dia para muitas pessoas, especialmente no norte da Itália, onde geralmente apenas um prato é servido no almoço, uma salada (para se sentir mais leve) ou um pão recheado perto do local de trabalho.

A dinâmica do jantar é a mesma do almoço tradicional e pode durar mais ou menos o mesmo tempo.

E essa é, justamente, a segunda coisa que me surpreendeu na hora de ir jantar ou almoçar no domingo: a duração.

Neste país, o momento de sentar à mesa representa um momento de partilha com a família, amigos, de falar sobre a vida, mas, acima de tudo, é a oportunidade perfeita para falar de comida e de locais onde se pode comer bem. Portanto, o almoço ou o jantar podem durar até 4 horas!

O que comer na Itália de acordo com a localização geográfica

Bem, agora que sabemos como funciona a cozinha em relação às refeições principais, vamos direto ao ponto: o que comer?

O que proponho a seguir é uma lista dos meus pratos favoritos, utilizando, como ponto de referência, a localização geográfica, de acordo com as cidades que visitei.

Norte

Primeiro prato

  • Trofie  al pesto:

Le trofie ou trofiette é um tipo de macarrão alongado, fino e enrolado, que é tradicionalmente temperado com o pesto genovês, um clássico da culinária genovesa.

(foto: lacucinaitaliana.it)
  • Tortellini in brodo:

Uma receita tradicional da Emilia Romagna e, tradicionalmente, é servida nos cardápios de Natal e de domingo.

É um tipo de massa recheada com carne, presunto cru, mortadela e Parmigiano Reggiano – no Brasil corresponde ao queijo parmesão. Na Itália, é produzido com leite de vaca cru, parcialmente desnatado, sem adição de aditivos.

A área de produção inclui as províncias de Parma, Reggio Emilia, Moden e Bolonha.

Geralmente, são consumidos em caldos, mas também com molho bolonhês ou com creme de leite.

(foto: ricettedalmondo.it)
  • Risotto alla milanese:

É um dos pratos típicos de Milão, é um risoto feito com açafrão e tutano de boi.

(foto: lacucinaitaliana.it)

Segundo prato

  • Fegato alla veneziana:

A receita remonta aos tempos romanos, trata-se de fígado de novilho (ou porco) cozido com muita cebola branca.

(foto:ricette.giallozafferano.it)
  • Brasato al Barolo: 

Típico da cozinha piemontesa, este é um segundo prato à base de carne bovina preparada com o Barolo (vinho tinto do Piemonte).

(foto:ricette.giallozafferano.it)

Centro

Primeiro prato

  • Spaghetti alla carbonara:

Típica da região do Lácio, a receita canônica envolve o uso de ovos, guanciale – extrai-se da parte do porco que se encontra entre o pescoço e a bochecha; pecorino romano (é um tipo de queijo feito com leite de ovelha), sal e pimenta.

Segundo Prato

  • Bistecca alla fiorentina: 

É um corte de novilho ou scottona – fêmea do bovino com idade entre 18 e 24 meses (às vezes até 3 anos) e que nunca deu à luz) – que é cozido na grelha e servido mal passado.

  • Gli arrosticini: 

Típicos da culinária abruziana, são espetos de carne de cordeiro.

(foto: ilmessagero.it)

Sul

Primeiro prato

  • Orecchiette alle cime di rapa:

É um dos pratos mais representativos da cozinha da Puglia, em particular da província de Bari, sendo preparado com as folhas do nabo, uma verdura típica do outono e inverno, de sabor intenso e ligeiramente picante.

(foto: blog.giallozafferano.it)
  • Spaghetti alle vongole: 

Mariscos, mexilhões. Nascido da tradição da região da Campânia, este prato é amado em todos os lugares!

Na verdade, você também pode usar vermicelli ou linguine (são tipos de macarrão com formatos diferentes) para prepará-lo em duas versões: vermelha ou branca.

(foto: tavolartegusto.it)

E você? Qual destes pratos italianos você conhecia? Você conhecia a origem desses pratos?

Aprecie a sua refeição e a sua imaginação!

 

Leia também o artigo em italiano: Cosa mangiare in Italia

Faça o exercício desse artigo: Esercizi

Veja também:

Storia di Aline Aquino Gargiulo

“Ho un debito con l’Italia”   Con queste parole inizia la storia di Aline Aquino Gargiulo. Aline è una donna sempre sorridente, molto educata e

Leia mais

Roma

ROMA Para quem ainda não conhece Roma, descobrirá que é impossível caminhar de um ponto a outro sem explorá-la  Texto elaborado a partir da live

Leia mais

Itália da Giulia · 2023 © Todos os direitos reservados